Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Bater ou não bater - Eis a questão

por Peças de Família, em 13.10.14

bater.jpg

 

Bater ou não bater – Eis a questão

 

Esta é uma pergunta que me é muitas vezes colocada: “Uma palmada de vez em quando não faz mal, pois não?” a que eu costumo responder que não, se considerarmos que quando errarmos no nosso trabalho ou quando tivermos um comportamento desadequado com a nossa família e amigos seja legítimo que nos castiguem fisicamente. Agora, se acharmos que não admitiríamos este tipo de punição, porque colocamos a hipótese de tratarmos desta forma os nossos filhos?

 

Está provado que bater, além de ser fisicamente perigoso e emocionalmente prejudicial, é uma estratégia disciplinar ineficaz, pois só resolve o problema temporariamente, e que traz consigo diversas desvantagens como:

1.º As crianças aprendem a também reagir agressivamente, quando se sentem frustradas ou com raiva.

2.º Muitas vezes, os pais quando recuperam a calma e reveem a situação, experienciam sentimentos de culpa por terem lidado com o mau comportamento da criança de forma agressiva, adotando, assim, comportamentos compensatórios. Isto é, tentam compensar a criança com presentes, privilégios ou evitando o recurso à disciplina no futuro.

3.º O perigo de ocorrer um descontrolo dos pais quando estão a bater nos filhos, podendo causar ferimentos graves.

 

Uma outra questão relacionada com a punição física é que a mesma tende a fazer as crianças acreditar que a questão fica resolvida, deixando-as sem sentimentos de remorso ou culpa pelo seu comportamento e sem lhes ensinar que comportamento deveriam ter adotado.

 

Termino este tema deixando algumas questões para os pais refletirem:

 

Bater não será um ato de covardia?

 

Se você bate no/a seu/sua filho/a em criança como forma de o/a controlar, como pensa fazer quando ele/ela for adolescente?

 

Você gosta de ser agredido/a?

 

 

Não faça à sua criança aquilo que não gostaria que lhe fizessem a si

 

Brevemente apresentaremos alternativas ao bater, que além de serem mais eficientes e duradoras, promovem a qualidade e o respeito na relação Pais-Filhos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)


Comentar:

Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.







Pesquisar

  Pesquisar no Blog